Cintia Lima – Advocacia e Assessoria Jurídica

Blog

ADVOGADOS ASSOCIADOS

Prazo de 30 anos para reclamar FGTS atrasado termina no ano que vem

By Cintia Lima | 20/set/2018 | 146 Views | 0 Comentário

Trabalhadores que não tiveram o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS)depositado corretamente pelas empresas precisam ficar atentos a uma decisão do Supremo Tribunal Federal  (STF) que passa a valer no ano que vem. A partir de novembro de 2019, o empregado só poderá cobrar na Justiça os valores de FGTS não depositados pelo patrão nos últimos cinco anos. A regra de questionar o Fundo não depositado nos últimos 30 anos está acabando.

Significa que, após novembro do ano que vem, o trabalhador que tiver mais do que cinco anos a receber não conseguirá esses valores. A data limite foi estabelecida pelo STF em 2014, quando foi julgado um Recurso Extraordinário com repercussão geral em todo o país.  Ao analisar o caso, o Supremo declarou inconstitucional a norma que previa a prescrição da falta de recolhimento em 30 anos.

O STF definiu que os trabalhadores que têm ações anteriores a novembro de 2014 não são atingidos pela nova regra. Também há chance de escapar do novo prazo para quem entrar na Justiça ou reclamar o pagamentos dos atrasados até novembro de 2019.

Fique atento aos depósitos do FGTS

Quando pode ser o caso de acionar a Justiça

– Todos os empregadores são obrigados a depositar o correspondente a 8% da remuneração do trabalhador no mês anterior. Os depósitos devem ocorrer mensalmente até o dia 7.
– Se a empresa faz isso corretamente, não há o que se reclamar na Justiça.
– Mas se algum desses depósitos não é feito, pode ser o caso de uma ação trabalhista se a empresa não se prontificar a corrigir o problema.
– Muitas vezes, o empregado só percebe que o Fundo não tem o dinheiro que deveria quando é demitido sem justa causa (e tem acesso o saldo) ou resgata o FGTS em uma das situações previstas por lei – como para usar na compra da casa própria.

O empregado precisa fiscalizar a empresa

– Para companhar de perto essa obrigação dos patrões, basta tirar extrato atualizado do Fundo de Garantia. O documento pode ser obtido em agências da Caixa com a carteira de trabalho e o cartão ou número do PIS.
– É possível fazer também pelo smartphone, por meio do aplicativo do FGTS (sistemas Android e IOS).
– Outra opção é consultar o extrato no portal do FGTS, com o número do PIS/Pasep e uma senha, criada neste endereço da Caixa Federal.

Caso haja problema, o trabalhador deve cobrar o patrão

– Se o Fundo não foi depositado corretamente – e a empresa, mesmo alertada, não tomou providência para regularizar a situação –, se deve procurar o sindicato da categoria ou uma Superintendência, agência ou gerência do Ministério do Trabalho.
– Os documentos necessários são carteira de trabalho e o extrato do FGTS.
– A rede de atendimento do Ministério do Trabalho no Rio Grande do Sul está disponível neste portal.
– E segue aberto o caminho, ainda, via ação na Justiça do Trabalho.

Mas atenção

– Após sair de um emprego, o trabalhador tem o prazo de até dois anos para cobrar na Justiça valores não pagos incluindo os do FGTS. Esse prazo não mudou.

Fonte: STF

Se você tem alguma dúvida sobre essa informação, me envie um comentário. Os interessados em esclarecer duvidas sobre Direito Trabalhista, podem entrar em contato com a Cintia Lima Advocacia pelo telefone 11- 2093-5027

Acompanhe nossas redes sociais estamos no Facebook e no Instagram.

Abraço a todos e até a próxima.

Cintia Lima Advogada inscrita na OAB/SP nº 309.760, especialista em Direito Tributário na PUC/SP com atuação em Direito do Trabalho, Direito Civil e Direito do Consumidor ( Com ênfase em contratos abusivos contra construtoras no que se refere às cláusulas de cancelamento do contrato de compra e venda do imóvel).

0 Comentários

Deixe o seu comentário!